sexta-feira, 30 de abril de 2010

Da vida virtual

Part 1

Não sei se mais alguém atinge esse ponto
Quando eu olho pra eles agora
São só um monte de nomes em uma janela
Me sinto completamente louca para falar
Mas para falar com quem?

Com os que vejo e não reconheço?
Com o conformismo que assegura
Ser melhor o virtual que o real?

Com o que eu quero falar?
será que é comigo
Do outro lado da maquina
Sabendo tudo o que eu sinto
E dizendo que estou certa?

Não entendo
Não entendo
E nunca soube realmente de alguma coisa.

Por fim um daqueles antigos
E a pergunta mais ordinária do mundo:
Ainda sabe quem sou eu?

Part 2

Da pergunta ordinária
Surgiu a resposta impressionante:

um mês, um ano uma decada,
mas,nunca esquecemos os amigos
como eu posso esquerce de vc?
agente conversava tanto sobre tantas coisas
sua amizade pra mim eh muito importante
(resposta por John' Nias )

quebrou meu ceticismo virtual
e desfez minha desilusão momentanea.
nem sempre superficial entao!

É isso: Nem sempre superficial.
A diferença sutil pros amigos de antes
e os contatos de agora.

quarta-feira, 28 de abril de 2010

Devaneios do Calor I





Queima, arde e nao cessa
37,5 _ 38 _ 38,5 _ 39...
e sobe...

olhos lacrimejantes
pernas que nao sabem onde vão,
se levantam entram em um comodo curto
recosta na parede, desejam chorar
o telefone toca e o desejo é de joga lo porta a fora

não posso.
sou rude rispida e desligo
e ligo, tento fugir, mas nao posso
entao fico desejando ir
por seis longas horas

sexta-feira, 9 de abril de 2010

Métrica Estética

Nao gosto de metrica
Que haveria eu que metrificar voce?
Eu gosto é das rimas pobres
Das rimas que dizem feiamente
E que expressam algum saber

Tem best seller que escreve mal
E vende horrores
Escreverei bem
EU ? Que nao quero vender?

Não gosto de parnasianos
Não gosto de gente que os lê
Gosto dos verbos soltos
Que rimam sem saber por que.

segunda-feira, 5 de abril de 2010

Only

Ela se escolheu
Ninguém há de concordar
Mas vai parar de gritar

E se nao for por si
Quem o será ?
Ele está ocupado
Existem coisas maiores
Pelas quais zelar

O peito arfando no ultimo suspiro
As dores do Parto
O choro do primeiro respiro
É isso que importa.

domingo, 4 de abril de 2010

Toc Toc


Isso que bate..
Bate tão forte que irá arrebentar
As cordas que seguram a porta

A madeira nas maos
Abre feridas
Ela tenta segurar bem forte

E o sangue escorre
Timido para fora dos vasos