domingo, 30 de junho de 2013

Carta Proibida

Estou pensando em você, quero saber como você está, quero te contar que minha solidão não está mais tão sozinha, e me pego ao som das musicas que escutamos juntas, me pergunto, será que você pensa em mim agora?
Eu estava comendo, mas não posso simplesmente me nutrir tendo esses pensamentos, nós dançamos esta musica juntas, será que você se lembra?
Acendi velas para você, comprei bebidas, escolhi o melhor som a melhor roupa, o melhor incenso, a melhor das diversões que eu pude dar a alguém, e mesmo agora que você se foi me pergunto, foi errado?
Tudo o que tenho são perguntas que nunca serei capaz de responder se não perguntar a você, mas acho que não devo. Não depois de escutar você dizer que minha presença a incomoda, nas conversas mentais que tenho com você.
 Com a parte de você que guardei dentro de mim presa no meu coração, você me diz que eu errei quando manipulei as coisas para ficar perto de você, você me diz que eu não devia ter feito e que você está bem agora. Isso que você diz é o que eu quero ouvir...
Ouvir que não há magoa ou ressentimento que apenas minha ausência te basta, e se não bastasse, há ela teria que bastar por que eu simplesmente não posso mais chegar perto, olhar para você me magoa e me causa dor.
E seu retrato... haaa!
Ele continua em meu espelho, preso na moldura para que eu possa desejar sempre o melhor para você todos os dias.
Como você costumava assinar: “Nada resiste a vontade do homem quando sabe a verdade e quer o bem.”
Mesmo terminado eu não consigo parar de pensar, eu não deveria enviar isso a você, mas nos sabemos que minha reputação não é boa quando se trata de fazer o que devo.

Seja feliz.


Um comentário: